Os cirurgiões de nariz do IPO utilizam a técnica básica (Joseph Modificado), nos procedimentos de cirurgia estética nasal. Trazida dos Estados Unidos para o Brasil, pelo doutor João Maniglia, 35 anos atrás, essa técnica foi sendo ensinada aos demais cirurgiões de nariz que, de geração em geração, acabaram por formar o Corpo Médico do Hospital IPO.

Trata-se de uma técnica simples, de fácil aprendizado e propiciadora de resultados cirúrgicos excelentes e compatíveis com os narizes da maior parte da população da região sul brasileira.  Em função da diversidade e do tipo de nariz do paciente, algumas pequenas variações da técnica foram e ainda vêm sendo realizadas. Mas, é possível afirmar que tem sido usada em cerca de 90% dos narizes operados no Hospital IPO, E é importante salientar que proporciona o resultado estético que nossos médicos se propõem a obter: um nariz, adequado, natural ao paciente e mais estético.

As principais características dessa técnica são o motivo de sua escolha: facilidade de realização do ato cirúrgico, eficácia, rapidez, segurança, bons resultados, além de menos sofrimento durante o período pós-operatório.
Sempre que o paciente pergunta como é feita a cirurgia, oferecemos uma explicação, em linguagem que lhe seja inteligível. Informamos-lhe, antes de tudo, que o paciente dorme, sob efeito de uma leve sedação provocada pelo anestesista: é uma anestesia local e a cirurgia é inteiramente efetuada pela parte interna do nariz, sem um único corte externo. Explicamos, também, que o ato cirúrgico dura cerca de uma hora e que toda a modificação estética pode realizar-se por cortes internos, com o uso de equipamento adequado para visualização interna. Se necessário, é possível realizar - concomitantemente - a cirurgia funcional do nariz: a remoção do desvio do septo nasal e correção dos cornetos nasais (estruturas da parede lateral do nariz). Na maioria dos casos, efetua-se uma fratura nasal. É isso o que faz com que o nariz inche e que a região fique roxa, no período pós-operatório,

A grande vantagem dessa técnica e diferencial mais importante dos cirurgiões do IPO, é que - além de realizarmos esse procedimento com anestesia local e sedação (paciente dormindo) - ela faz com que o procedimento se torne bem mais rápido, simples e com pós-operatório mais tranqüilo ao paciente: o TAMPÃO nasal de gaze, que causava enorme desconforto ao paciente, durante o pós-operatório, NÃO É MAIS UTILIZADO.

O paciente vai para casa com menos desconforto e o nariz livre: apenas uma esparadrapagem e gesso (ou aquaplast) na região do dorso nasal, que deve permanecer por sete dias. Mas, é importante salientar que, nas duas primeiras semanas, a respiração nasal será apenas razoável, por causa do edema (devido à inflamação) decorrente das incisões cirúrgicas.